Newsletter

Notícias gerais › 16/08/2019

Solenidade da Assunção de Nossa Senhora



Maria, Mãe que nos alcança as coisas do alto

“Mãe, por favor, alcance para mim aquele pote de biscoito em cima da geladeira! Mãe, a senhora pode pegar na parte de cima do armário aquele brinquedo que a senhora guardou?” Para o filho pequeno, a mãe é gigante. Alcança lugares que ele, em sua baixa estatura, não consegue alcançar. Tão grande e tão próxima! Tão distante no tamanho e tão acessível na disponibilidade! Grandeza que se faz pequenez para atender aos pedidos de pequenos tão amados.

Maria assunta aos céus é esta Mãe Grande capaz de interceder pelos filhos e filhas a fim de que eles tenham acesso a graças que, caso não recebessem ajuda, seriam para eles inacessíveis. Intercessão poderosa e incansável. No dia em que a Igreja celebra esta verdade de fé que apresenta Nossa Senhora em sua versão mais sublime e gloriosa, é tempo propício para recordarmos desta presença materna tão importante na vida de fé da comunidade.

A porta de acesso a Cristo é a Rainha que se encontra à sua direita, conforme reza o Salmo proposto para esta solenidade (Sl 44). Estar próxima ao Rei, especialmente a seu lado direito, manifesta a proximidade que existe entre Maria e seu Filho e, por outro lado, a confiança que Jesus deposita em sua Mãe, elegendo-a como auxílio fundamental para a instauração do Reino. Na beleza do Mistério da Encarnação, o mesmo Jesus Glorioso é o menino pequeno da Galileia que dependeu do seio de Maria para vir ao mundo e para se alimentar. Para Jesus, Maria também foi grande, do Natal à Cruz. Nada mais justo que, com Ele, participasse ativamente da grandeza da Ressurreição.

Que aprendamos desta Grande Mãe a fidelidade incondicional ao Filho. Que Ela nos alcance, hoje e sempre, a graça de um coração generoso, disponível e serviçal, sempre pronto a colocar-se a serviço do Reino.

Frei Gustavo Medella

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.