Newsletter

Notícias gerais › 19/04/2019

Coleta para a Terra Santa nesta Sexta-feira da Paixão

Realiza-se, em 19 de abril próximo, a Coleta em favor da Terra Santa 2019 que a Igreja promove no mundo inteiro tradicionalmente na Sexta-feira Santa. A iniciativa foi instituída pelo Papa Paulo VI em favor dos Lugares Santos e dos cristãos que vivem no Oriente Médio.

“Neste ano, de forma especial, celebramos os 800 anos da presença franciscana na Terra Santa, iniciada pelo próprio São Francisco de Assis, que no ano de 1219, de maneira pacífica e profética, dirigiu-se para Damieta, no Egito, onde então, cristãos e muçulmanos disputavam os lugares santos. Neste gesto de coragem e armado somente pela fé, São Francisco faz entender a todos que a paz se realiza pelo encontro e pelo diálogo. Desde então, este encontro fala a todos que fazem do diálogo e da coexistência a sua vida diária, em especial na Terra Santa, onde a presença cristã e católica, já há 8 séculos regida pelos filhos de São Francisco, deixa uma mensagem viva e eloquente de que é possível, apesar das diferenças, conviver como irmãos, filhos de um mesmo Deus e Pai”, lembra Frei Ivo Müller, comissário do Comissariado da Terra Santa.

Segundo Frei Ivo, o cuidado dos santuários, que se constituem num evangelho vivo e o esforço contínuo de garantir que cada cristão do mundo possa sentir-se acolhido na Terra de Jesus, só é possível com as orações e o auxílio de toda a Igreja que, confiando no trabalho dos Frades Menores, a sustenta por todos estes séculos. “No entanto, é importante mencionar que a presença franciscana na custódia dos lugares santos vai além dos principais cenários que foram palco da história da salvação, mas também está presente em países como a Jordânia, Chipre, Líbano, Autoridade Palestina e Síria, estes últimos que enfrentaram e ainda enfrentam graves problemas sociais e políticos, o que ocasionou o êxodo de grande parte da presença cristã que remonta aos primórdios do Cristianismo”, lembra o frade da Província.

A missão da Custódia da Terra Santa, recorda Frei Ivo, além de cuidar dos lugares santos, que em seus santuários e cenários constituem um “evangelho” a céu aberto, é justamente cuidar dos lugares santos e vivos, que se tratam dos cristãos, aquela porção do povo de Deus, muitas vezes perseguidos e em situação de necessidade, para que a presença cristã no Oriente Médio seja preservada, como a todas as pessoas de boa vontade que são atendidos em muitas de suas necessidades pelas obras realizadas pela Custódia da Terra Santa, independente de sua confissão religiosa.

Na Exortação Apostólica Nobis in Animo, com a qual o Papa Paulo VI institui em 1974 a Coleta, afirma: A Igreja de Jerusalém ocupa um lugar de eleição na solicitude da Santa Sé e na preocupação de todo o mundo cristão, enquanto o interesse pelos Lugares Santos, e em particular pela cidade de Jerusalém, emerge mesmo nos grandes consensos das Nações e nas maiores Organizações internacionais. Tal atenção é hoje primordialmente pedida em razão dos graves problemas de ordem religiosa, política e social ali existentes.”

“Contamos mais uma vez com a contribuição generosa nas paróquias e de santuários ou capelas, por ocasião da coleta da Sexta-Feira Santa, onde todos os cristãos católicos do mundo se unem numa só família para, como nos tempos apostólicos, auxiliar a Igreja que está em Jerusalém (II Cor 8, 13-15)”, pede Frei Ivo.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.