Newsletter

Artigos › 25/08/2019

Passar pela porta estreita

É realmente difícil os valores éticos crescerem no homem-massa.
López Ibor

♦ Jesus é, com efeito, um Mestre diferente. Nada de lições muito teóricas e cansativas em salas fechadas. Conversava com as pessoas que ia encontrando ao longo do caminho. Encontrava-se com gente nas estradas, nas aldeias, em casas. Ia a festas de casamento e era convidado a tocar nos doentes em suas casas. Sua tarefa era comunicar o que lhe fora confiado pelo Pai: Deus quer o bem mais profundo das pessoas, Todos são convidados a expor-se a ele e assim contar com seu perdão amoroso. Os fariseus não entendiam essa linguagem já que se tinham por senhores acima de toda suspeita. Pessoas simples com vida nem sempre tão límpida como a dos certinhos doutores da religião se aproximavam de Jesus e arrancavam dele uma palavra de esperança, ganhando novo ânimo de vida. Jesus é alguém que entra em sintonia com os que o buscam com sinceridade de coração. Alguém do grupo coloca uma questão: “Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam? A pergunta dá ensejo a que Jesus converse sobre o tema da porta estreita.

♦ “Esforçai-vos por passar pela porta estreita”. Frase exigente. Quase dura. Uma lição de religião talvez dos tempos antigos se apoiava nela: dureza, sacrifícios, distanciamento até mesmo das coisas lícitas, jejum, inferno, rigor. Será que era isso que Jesus estava querendo dizer? Dar uma lição de mestre rigoroso? Nem sempre os intérpretes desta passagem se põem de acordo.

♦ Vivemos uma sociedade dita permissiva que deixa de lado todo esforço que contraria nossas tendências menos nobres. Nem tanto ao mar, nem tanto terra. Virtus in medio. Levar uma vida cristã séria, vivendo um processo de conversão, mas sem penitências exteriores e requintadas, que muitas vezes não partem de um interior sincero. No tempo do julgamento pessoas que, pensavam terem sido corretas poderão ouvir. Não basta passar de qualquer modo… É preciso viver a fé a partir do interior, o que supõe esforço, perseverança e luta.

♦ Vejamos a ponderada interpretação de José Antonio Pagola falando da “porta estreita”. Trata-se de necessária disciplina para que as pessoas possam entrar nos salões do Reino. “O afã do consumo enfraquece o núcleo moral da pessoa, colocando em primeiro lugar o valor das coisas e empobrecendo o espírito das pessoas. Leva-se a sério o supérfluo e se perde de vista o profundo. A pessoa se dispersa em muitas coisas e escapa-lhe a alma” (Pagola, Lucas p. 237-238)

♦ O esforço da disciplina é absolutamente necessário. Não podemos apostar na facilidade. Felicidade não é facilidade. Salvar-se? Fazer com que a mensagem de Jesus e sua pessoa penetrem em nós. Nascer de novo. Tentar eliminar o que em nós é semente de morte. Arregaçar as mangas e tomar as providências necessárias para que o carinho e o amor de Jesus penetre nos compartimentos mais íntimos de nós, permitir que ele tome posse de nós arredando caminho vaidades, sede de posse, veleidades, deixando de lado a mentira, o autoengano. Estas são algumas caraterísticas da porta estreita pela qual somos convidados a passar.

♦A Carta aos Hebreus, leitura da liturgia deste domingo, fala da correção. Tema também delicado ao lado da “porta estreita”. Correção necessária que devem fazer os que são colocados à frente dos filhos, das pessoas que estão à sua volta e dos amigos. A primeira modalidade de conversão se dá pelo exemplo. Há uma luz, um sal, um fermento que partem do homem de Deus e dos sinceros discípulos de Jesus. O exemplo pode corrigir rotas menos seguras da vida. Há também a palavra que corrige. Palavra carinhosa que faz com que as pessoas deixem a porta larga e enveredem por outras sendas.

Oração

QUERO SEGUIR-TE

Tu me conheces e sabes o que quero,
tanto meus projetos como minhas fraquezas.
Não posso ocultar-te nada, Jesus.
Gostaria de deixar de pensa em mim
e dedicar mais tempo a ti.
Gostaria de entregar-me inteiramente a ti.
Gostaria de seguir-te aonde fores,
Mas nem isso me atrevo a dizer-te
porque sou fraco. Tu o sabes melhor do que eu.
Sabes de que barro sou feito,
tão frágil e inconstante.
Por isso, preciso ainda mais de ti,
para que me guies sem cessar, para
que sejas meu apoio e meu descanso.
Obrigado Jesus por tua amizade.

Texto para reflexão

DOS QUE SALVAM

Salvar, salvação… Que experiência temos nós de salvação? Um cão nos ataca e alguém nos socorre, uma enchente começa a inundar a rua e um carro dos bombeiros nos livram de sermos arrastados pelo perigo, uma calúnia é levantada contra nós, conseguimos esclarecer o erro e somos salvos em nossa boa fama.

Salvar nosso viver. Não empurrar as coisas para frente sem refletir. Cuidar de não deteriorar nosso corpo, cultivar a mente por meio de estudos bem feitos, não apenas para passar de série. Gosto pela leitura. Exercício de discernimento para tomar decisões que nos tornem mais gente Seremos salvos de um incômodo isolamento existencial na medida em que cultivamos relacionamentos de dom, gratuitos, alegres. Sentimo-nos solidários dos outros e isso nos salva de um mortal isolamento.

Jesus vivo e presente em nosso meio nos cativa. Vamos nos entregando ao Evangelho, íntimos de Jesus, ele nos leva ao Pai e com isso o Espirito é derramado em nós. Somos salvos: filhos de um Pai que nos alma. E esse Jesus nosso caminho, nossa vida. Somos fadados a viver plenamente. Estamos salvos. Não esquecer: será preciso passar pela porta estreita.

Frei Almir Guimarães
Fonte: site Franciscanos

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.