Newsletter

Notícias gerais › 06/02/2020

O sucesso de poucos é fracasso de todos

Seguir o caminho da justiça e deixar um rastro de glória. Este é o programa de vida proposto pelo Profeta Isaías na Primeira Leitura deste 5º Domingo do Tempo Comum. É um itinerário desafiante, mas realizador, segundo a promessa que o próprio Deus apresenta pela boca do Profeta (Cf. Is 58,9-10). Não se trata de um caminho abstrato, mas que se percorre na concretude do dia a dia, nas pequenas e grandes ações: repartir o pão com o faminto, acolher em casa os pobres e peregrinos e vestir os nus. São orientações preciosas e, à medida que ganham corpo, tornam-se capazes de gerar vida, de promover a humanidade, de instaurar o Reino de Deus.

Representam metas das quais o cristão não pode abrir mão, sem as quais a Igreja se afasta de Cristo e perde a razão de existir e que não poderiam estar fora do horizonte das políticas de um governo que se elege com o slogan “Deus acima de todos”. Na compreensão cristã, o modo de Deus se colocar acima é inclinando-se para lavar os pés e curar as feridas do que estão nas posições mais inferiores. Qualquer opção que saia deste trilho torna-se falaciosa e inoperante de acordo com os critérios do Evangelho.

Nem sempre são opções fáceis, é verdade. Com frequência são até contraditórias diante dos ideais de sucesso apresentados por um modelo de sociedade que privilegia a competição, o acúmulo e o individualismo. De acordo com a Palavra de Deus, sucesso de verdade é vida plena e feliz para todos, sem exceção. Sucesso para poucos, na lógica do Reino, é fracasso para todos.

Compreender e colocar esta mensagem em prática certamente não tornará a pessoa rica ou poderosa, mas, conforme a garantia da própria Palavra de Deus, é meio seguro para o ser humano tornar-se eterno, não por seus méritos, mas pela graça de Deus, não pelo patrimônio que construiu, mas pelo bem que foi capaz de realizar, conforme atesta o refrão do Salmo 111: “Uma luz brilha nas trevas para o justo, permanece para sempre o bem que fez”.

Frei Gustavo Medella

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.