Newsletter

Notícias gerais › 11/03/2019

Campanha da Fraternidade 2019

Pelo 56º ano consecutivo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) promove a Campanha da Fraternidade (CF). A cada ano é apresentada uma realidade de fragilidade e de carência em nosso país e, neste ano especificamente, a reflexão se concentrará no tema Políticas Públicas e Fraternidade. Com a Campanha da Fraternidade, a Igreja do Brasil propõe que a Quaresma não fique apenas num bom desejo e em exortações teóricas, mas ajude nesse tempo de conversão a despertar uma cultura de fraternidade, a reforçar os princípios de justiça e a denunciar ameaças e violações da dignidade e dos direitos.

Ao trazer à luz este tema, a Igreja do Brasil pretende conscientizar os cristãos da importância do envolvimento nas questões políticas e sociais, acompanhando o que já é realizado e cobrando novas ações para todos os cidadãos, sobretudo os que mais necessitam da atenção do Estado. “A Campanha da Fraternidade 2019 é um convite para uma maior participação das pessoas na elaboração e na implementação de Políticas Públicas, projetando, assim, o presente e o futuro do Brasil, amparado no direito e na justiça, livre das desigualdades que atingem os mais pobres. A participação nas Políticas Públicas na ótica da misericórdia torna-se caminho inspirador para a vida não só dos cristãos, mas de todas as pessoas de boa vontade”, aponta o texto-base da CF, nº263.

Neste ano, a CF tem como objetivo “Estimular a participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais de fraternidade”.

Como objetivos específicos, a CNBB propõe:

– Exigir ética na formulação e na concretização das Políticas Públicas.
– Despertar a consciência e incentivar a participação de todo cidadão na construção de Políticas Públicas em âmbito nacional, estadual e municipal.
– Propor Políticas Públicas que assegurem os direitos sociais aos mais frágeis e vulneráveis.
– Trabalhar para que as Políticas Públicas eficazes de governo se consolidem como políticas de Estado.
– Promover a formação política dos membros de nossa Igreja, especialmente dos jovens, em vista do exercício da cidadania.
– Suscitar cristãos católicos comprometidos na política como testemunho concreto da fé.

 

Fonte: site Franciscanos

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.